Quissamã tem o maior número de internados desde o início da pandemia

Número de leitos no Hospital Municipal de Quissamã já foi ampliado três vezes

Luiz Costa

Os municípios do Norte Fluminense seguem registrando crescimento no número de casos de Covid-19 e, consequentemente, com mais pacientes necessitando de leitos clínicos e de UTI. Neste sábado (10), por exemplo, Quissamã, que já vacinou 15% de sua população, registra o maior número de internados desde o início da pandemia. São 32 pessoas necessitando de cuidados no Hospital Municipal Mariana Maria de Jesus, com 10 fazendo uso de ventilação mecânica.

A situação fez com que a prefeita Fátima Pacheco usasse as redes sociais para um alerta. “Hoje é sábado, um dia lindo de sol e amanhã também será um dia ensolarado. Em outros tempos poderíamos ir à praia, reunir amigos, fazer festas e aglomerar. Hoje não podemos fazer isso. E quem insistir, estará correndo risco de perder a saúde e a vida e colocar em risco a integridade de outras pessoas. Hoje temos 32 pessoas internadas em nosso hospital, o maior número desde o começo da pandemia. Se não tivéssemos ampliado o número de leitos três vezes, já estaríamos em colapso e pessoas de nossa cidade já estariam sem assistência médica e sem leito. Quando há falta de leitos nos municípios, os pacientes vão para um sistema de regulação e aguardam em uma fila, onde atualmente centenas estão aguardando. Não é fácil ampliar leitos COVID, não por falta de recursos financeiros, pois em Quissamã não faltará recursos financeiros para salvar vidas. Mas mesmo com dinheiro não há facilidade para contratar profissionais qualificados e comprar insumos que estão escassos em todo país. Governadores e Prefeitos enfrentam o grande desafio de, mesmo com dinheiro em conta, não conseguirem contratar profissionais e comprar medicamentos fundamentais no combate ao COVID. Por isso, todos precisam colaborar, ter sua parcela de responsabilidade e seguir as medidas restritivas que estão salvando vidas até que tenha vacina para todos. Vamos continuar fiscalizando o cumprimento das normas restritivas e nao seremos tolerantes com aqueles que não estão agindo com responsabilidade e desrespeitam o direito do outro viver com segurança”, diz o texto.

Também pelas redes sociais, o secretário municipal de Segurança Pública e Trânsito, Paulo Vitor Arquejada, fez um desabafo. “Cada dia pior e ainda estamos recebendo denúncias de bares abertos, com consumo de bebida no local, aglomeração e descumprimento de decretos. Que Deus abençoe nossa cidade e que não falte nenhum leito de UTI para nenhum quissamaense! Porque tá difícil”, postou.

Segundo o boletim oficial divulgado pela Prefeitura na noite de quinta-feira (8), Quissamã tinha 1.751 casos confirmados de Covid-19, com 59 óbitos. Apesar do quadro preocupante, os gestores têm enfrentado dificuldade em fazer com que uma parcela da população entenda a gravidade e os cuidados que o atual momento exige. A campanha institucional de conscientização, feita pela Prefeitura, já adota um tom mais “agressivo” para chamar a atenção de quem parece ignorar a doença.

Um fato positivo é perceber que alguns empresários locais estão destinando espaço, em suas campanhas promocionais, para ações de esclarecimento sobre o coronavírus, com dicas preventivas e informações que podem ser valiosas para identificar eventuais casos e as primeiras medidas que devem ser adotadas.

Compartilhe

Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no email
Email