Mortes por Covid-19 em Quissamã dobram em dois meses

Barreiras sanitárias foram montadas na cidade no início da pandemia - Foto: Secom/Phillipe Moacyr

Luiz Costa

Apesar do município estar enquadrado na bandeira amarela, a luz vermelha está acesa em Quissamã em relação ao coronavírus. Em dois meses, o número de mortes praticamente dobrou – eram 25 no dia 1° de dezembro de 2020; e 49 em 1° de fevereiro de 2021, segundo publicações no site oficial da Prefeitura. Em participação na Rádio Quissamã FM nesta terça-feira (2), a prefeita Fátima Pacheco alertou que o Hospital Municipal Mariana Maria de Jesus está no limite no que se refere ao atendimento nos leitos clínicos e com ocupação de 60% na UTI. Anunciou ainda a volta das barreiras sanitárias nas praias de Barra do Furado e João Francisco, a partir desta sexta-feira (5).

– Pode chegar o momento que não teremos espaço físico para o atendimento. A região também não aceitará transferências. Recentemente, Campos teve que adotar lockdown parcial no comércio em virtude da superlotação do sistema. É preciso que todos estejam atentos à situação, que é calamitosa. Vamos precisar, de novo, intensificar as medidas de proteção. Já fizemos decretos, mas eles, sozinhos, não falam por si só. Vamos colocar barreiras sanitárias, com acesso apenas de moradores e profissionais que atuam na Saúde e outras áreas essenciais. Nos finais de semana, muitas pessoas querem dançar forró e tomar banho de mar, mas se lotarmos a UTI pessoas podem correr risco de morte por falta de respirador. Como prefeita, terei que fazer escolhas. Entre a praia e assegurar que a nossa saúde dê conta da demanda, ficarei com a segunda opção, e vamos tomar medidas mais incisivas em relação às aglomerações, inclusive com novos decretos. E queremos contar com a parceria da população. Vamos intensificar a fiscalização nas filas dos bancos, no comércio. Todos precisarão cumprir com o seu papel – ressaltou a prefeita.

Fátima fez ainda um balanço da vacinação contra a Covid-19. “Nesse primeiro momento, estão sendo imunizados profissionais que atuam na linha de frente no combate à doença. Depois, será a vez dos idosos a partir de 75 anos. Tudo é feito com transparência e fomos pioneiros na divulgação da relação das pessoas que recebem as doses. É inadmissível que essas regras sejam desrespeitadas. Seguimos as orientações da Organização Mundial de Saúde, repassadas ao Ministério da área e à secretaria estadual. Ainda levará um tempo até que todos estejam vacinados e é importante que medidas como distanciamento, uso de máscara e higienização das mãos continuem sendo adotadas”, completou a prefeita de Quissamã.

 

Compartilhe

Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no email
Email